quinta-feira, setembro 10, 2009

"I was having this awful nightmare that I was 32. And then I woke up and I was 23. So relieved. And then I woke up for real, and I was 32."

Eu nunca tive vida de estudante, quando entrei na faculdade comecei a trabalhar para pagar a faculdade, com 17 anos, e foi isso, nunca mais parei, nem de trabalhar, nem de estudar (ok, tive um hiato de uns 4 meses de vagabundagem, pós-colapso nervoso, mas mesmo vagabundando ainda fui estudar). Fazendo as contas, nesses 15 anos trabalhando eu tive uns 4 meses de férias (somando todos os picadinhos, feriados, reveillon). Combinei então de mais ou menos tirar 3 meses de férias e me dedicar à monografia e OAB - mais ou menos porque óbvio que eu continuo fazendo coisas de trabalho sempre.

Aí que nas 2 primeiras noites de 'vida de estudante', o que eu fiz invés de ir à faculdade? Vi as minhas amigas! Papo de menininha total!! Ontem porque uma eu estava com saudades, fazia mais de 1 mês que não conversávamos e hoje porque outra teve um semi-colapso / lesbian drama / socorro. E foi engraçado, muito dos papos (porque amigas conversam mesmo e não sobre superficialidades, trivialidades, é papo sério, profundo, antropológico mesmo às vezes) giraram em torno da nossa idade, do que esperávamos da vida, do que nos aconteceu, de como vivemos, quantas coisas superamos, o futuro que nos espera e o que esperamos do futuro, "our hopes and expectations, black holes and revelations".

Duas meninas conseguem sentar e conversar sério e sem parar por 5, 6 horas, sem perceber a hora passar. É, medo, I know. E é por isso que eu não conseguiria ser lésbica.

...


Sobre ter 32 anos, além de ter falado tanto disso, idade, sociedade, vida de estudante depois dos 30, expectativas e relógio biológico nessas duas noites, agora ri de mim mesma porque abri meu email e me empolguei mais com um 'festival de king crab' do que com uma super-balada-de-sei-lá-o-quê. É, faz alguns anos que eu não ligo para super-baladas, prefiro comer super-comida.

PS. sobre vida de estudante: Por que eu amo minha faxineira mesmo ela fazendo tudo errado - ela nunca me encontra, sempre já saí quando ela chega, mas ontem eu estava em casa e ela sabe que não é para falar comigo antes de eu tomar meu café, ou melhor, que não é para falar comigo por pelo menos meia hora depois de eu ter levantado, ainda não estou conversável.

2 comentários:

Cute One disse...

"Duas meninas conseguem sentar e conversar sério e sem parar por 5, 6 horas, sem perceber a hora passar. É, medo, I know. E é por isso que eu não conseguiria ser lésbica."

Eu ri...rsss e pior que é verdade né =)
Passando pra dar um oi =)
Beijosss.

Dani disse...

Oi pessoa mais feliz há 9 (10) meses! ;)

Beijos!